• Igreja Presbiteriana Unida de São Paulo - 116 Anos

Estudo p/ Pequenos Grupos

CERTEZA DA SALVAÇÃO – ( AÇÃO – (João 10.28) oão 10.28)

 

Pode um crente ter certeza da sua salvação? Esta não é uma pergunta trivial e a resposta precisa ser fundamentada na Palavra de Deus. Felizmente, a Teologia Reformada lida bem com este tema, pois demonstra que a certeza e a segurança do crente em matéria de salvação estão ancoradas no decreto da eleição, portanto, não são uma “simples persuasão conjectural e provável, fundada em uma falsa esperança” (CFW 18.2). A mesma Confissão ensina, biblicamente, que a certeza da salvação decorre de uma infalível segurança da fé, fundada na divina verdade das promessas de salvação (Hb 6.17,18), na evidência interior daquelas graças nas quais essas promessas são feitas (1 Pe 1.4,5,10,11; 1 Jo 3.14), no testemunho do Espírito de adoção que testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus (Rm 8.15,16), sendo esse Espírito o penhor [garantia] da nossa herança e por quem somos selados para o dia da redenção (Ef 1.13,14; 4.30; 2 Co 1.21,22).

 

A força dessas abençoadoras afirmações bíblicas reside na realidade de que a iniciativa, as ações e as garantias são todas de origem divina, em que se combinam a graça soberana de Deus, a efetividade da obra redentora de Jesus e a eficácia da ação do Espírito Santo na aplicação dessas verdades na vida do crente. Nessa perspectiva, o pastor e teólogo Terry Johnson destaca dois ensinos bíblicos importantíssimos:

 

1º) Deus preservará seus eleitos: a salvação é uma “corrente de ouro” que começa com os propósitos eletivos de Deus na eternidade e tem seu ápice na glorificação final (Rm 8.29-30), e isso é tão certo e seguro que os verbos deste texto bíblico estão conjugados no tempo “passado”, como fatos consumados! Nada, absolutamente nada, pode deter Deus em seu propósito de salvar-nos (Jo 10.27-29).

 

2º) O povo de Deus perseverará: a soberania de Deus protege e preserva o seu povo na fé, mediante a perseverança (Mt 10.22). Somente os salvos perseveram e somente aqueles que perseveram são salvos. Portanto, os eleitos estão seguros. Eles são “guardados pelo poder de Deus” (1 Pe 1.5). Ele promete preservá-los. Porque ele promete, eles perseverarão até o fim. Daí poder concluir-se que “uma pessoa que falha em perseverar, demonstra que ela nunca foi eleita” (Johnson). Ler: 1 Jo 2.9.

 

Por fim, corroborando garantias tão firmes e ações divinas tão eficazes, recordemos que é possível e desejável identificar o “testemunho interno”: “O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus” (Rm 8.16). Você, crente genuíno, pode e deve ter certeza da sua salvação!

 

Presb. Marcel Mendes