• Igreja Presbiteriana Unida de São Paulo - 116 Anos

Estudo p/ Pequenos Grupos

ELEIÇÃO INCONDICIONAL

 

O homem não pode salvar a si mesmo no todo ou em parte. Somente Deus pode salvar o homem. A boa notícia do Evangelho é que Deus providenciou o caminho de salvação através de Cristo. Para entender o caminho de Deus à salvação, temos que voltar à mente eterna de Deus.

 

Antes que todas as coisas fossem criadas, Deus preordenou dividir toda humanidade em dois grupos. Uns seriam Seu povo e outros seriam deixados em seus pecados. Primeiro, olhemos no que a Bíblia ensina sobre a doutrina da eleição: “Ele nos escolheu” (Ef 1.4). Ele fez isto na eternidade, não no tempo (II Tes 2.13). Aqueles a quem Ele escolheu são chamados de “eleitos” (Mc 13.20). Eles são pecadores escolhidos a fim de receberem a salvação (I Tes 5.9). O que moveu Deus a escolhê-los? Deus os escolheu por graça soberana somente (Ef 2.8-9; II Tm 1.9).

 

No senso geral, Deus deseja que todos os homens sejam salvos (I Tm 2.4). Mas, num senso maior, Deus escolhe somente alguns pecadores para serem salvos: “Não fostes vós que me escolhestes a mim, pelo contrário, Eu vos escolhi a vós outros” (Jo 15.16). Ele não escolheu o eleito sob a base de qualquer coisa que previu neles, pois tudo o que viu em sua natureza era o pecado. Ele ‘de antemão conheceu’ os eleitos no senso de conhecê-los em amor desde toda eternidade (Rm 8.29; I Pe 1.2). Lembre-se, a Escritura diz: “Ele nos escolheu”, não porque previu que escolheríamos a Ele. Pelo contrário, Ele nos escolheu exclusivamente pela livre graça.

 

Portanto, temos a Eleição Incondicional. Eleição é irreversível. E quando alguém vêm a crer em Cristo para salvação, ele então tem o privilégio de saber que ele é um dos eleitos (II Pe 1.10). Porém, Deus não escolheu todos os homens. Ele não escolheu Satanás ou qualquer dos demônios, e Ele não escolheu todos os seres humanos pecadores. Alguns são eleitos, os demais foram deixados em seus pecados. Seus nomes não foram escritos no Livro da Vida (Ap 20.15), nem foram conhecidos por Cristo na eleição da graça (Mt 7.23).

 

Para que ninguém pense que isso é injusto (Rm 9. 14-18), Deus responde: “Quem é tu, ó homem, para discutires com Deus?!” (Rm 9.20). Nenhum homem pode culpar Deus, pois o homem é pecador e Deus é Santo. Nenhum homem merece ser eleito; todos merecem a rejeição. A maravilha não é que Deus rejeita alguns pecadores; a maravilha é que Ele escolhe alguns pecadores para serem salvos.

 

Rev. Célio Gomes de Azevedo

(Traduzido e adaptado de Curt Daniel ‘Biblical Calvinism’)