• Igreja Presbiteriana Unida de São Paulo - 116 Anos

Estudo p/ Pequenos Grupos

ATRIBUTOS EXCELENTES DA GRAÇA DIVINA

Quando cantamos o hino Maravilhosa Graça, adjetivamos numa única expressão de deslumbramento aquilo que nos passa na mente e no coração quanto à Graça de Deus. A Bíblia tem mais a dizer sobre seus excelentes atributos:

 

a) A Graça divina é soberana. “Antes da fundação do mundo” (Ef 1.3-7), Deus decidiu escolher soberanamente os seus eleitos, para louvor da Sua glória (Is 43.21). Esse propósito foi colocado à prova por ocasião da “Queda”, isto é, os seres humanos afastaram-se do Criador e seguiram seus próprios caminhos e pensamentos (Is 55.8). Não fizeram “a sua parte”. Deus já sabia que isso aconteceria, por isso, movido por amor e misericórdia, decidiu estabelecer o “pacto da graça”, mediante o qual toda a ação redentora foi atribuída a Jesus Cristo (Hb 12.24), e nós entramos apenas com a “fé salvadora”. Isso só pode ser “dom de Deus” (Rm 3.23-25; Ef 2.8).

 

b) A Graça divina é necessária. Em A Graça divina é necessária. matéria de salvação, nada podemos fazer sem a Graça divina. Terry Johnson ensina que nós não podemos viver espiritualmente, a menos que nasçamos “de Deus” ou “do Espírito” (Jo 1.13; 3.8). Nós permanecemos mortos, a menos que sejamos vivificados com Cristo (Ef 2.5). Não podemos vir a Ele, a menos que Ele nos “traga” (Jo 6.44). Não podemos, sequer, escolhê-Lo, a menos que Ele nos escolha (Jo 15.16). Não podemos amá-Lo, a menos que Ele nos ame primeiro (1 Jo 4.19). Não podemos crer nEle, a menos que Ele nos dê fé (Ef 2.8,9). Concluímos que a Graça divina é totalmente necessária! c) A Graça divina é suficiente. c) A Graça divina é suficiente.

 

c) A Graça divina é suficiente. A ênfase da suficiência da Graça divina (Sola gratia) para fins de salvação constitui um dos pilares mais preciosos da Reforma e deve ser motivo de gratidão a Deus, pois nos desobriga de qualquer esforço adicional ou cota de mérito (Gl 2.16; Ef 2.8,9). Esse reconhecimento ressalta também a abrangência e a eficácia da obra redentora de Jesus Cristo, o que se torna fundamental para a segurança da salvação e alívio da ansiedade. Ao apóstolo Paulo, o Senhor garantiu: “A minha graça te basta” (2 Co 12.9). Ela é totalmente suficiente, pois diante da abundância do pecado, a Graça divina é “superabundante” (Rm 5.20). Na eternidade, celebraremos a “suprema riqueza da sua graça” (Ef 2.7)!

 

Cantemos, pois, de todo o coração: “Maravilhosa graça! Traz vida perenal! Por Cristo perdoado, vou à mansão real.”

 

Presb. Marcel Mendes.