• Igreja Presbiteriana Unida de São Paulo - 116 Anos

Pastoral

PREDESTINAÇÃO E MISSÔES: COMO CONCILIAR?

 

O que a Bíblia fala sobre predestinação?

1. A Bíblia deixa claro que as pessoas que se convertem foram as que Ele escolheu ou elegeu previamente: “Não fostes vós que escolhestes a mim, pelo contrario, eu que escolhi a vós” (Jo 15.6); “Muitos são chamados mas poucos escolhidos” (Mt 20.16); “enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos” (At 2.47).

2. A Bíblia também declara que o Deus que escolhe executa um plano eterno para os escolhidos. O Deus que escolhe também chama. Até aqui tudo bem, nada de novo, nenhum problema! A questão começa quando deixamos de atentar para o fato de que Deus não só tem um plano, mas também tem um método. E mais, Ele o revelou nas Escrituras.

 

Qual o método de Deus para chamar os eleitos Qual o método de Deus para chamar os eleitos?

Segundo o texto de Rm 8.30, Deus não só escolheu um povo para si, mas também o chamou. Sem sombra de dúvidas, o método de Deus para chamar os eleitos é a pregação. E a proclamação do Evangelho, as Boas Notícias. “A fé vem pelo ouvir e ouvir a Palavra de Deus” (Rm 10.17). Por isso mesmo o apóstolo Paulo, em Rm 10, ao apresentar e resumir todos os passos da atividade missionária, clama dizendo “Como ouvirão se não há quem pregue?”. Fora da proclamação das Boas Novas não há como os eleitos virem a Cristo. O Espírito Santo é quem, pela palavra, convence o mundo do pecado da justiça e do juízo, e os conduz a Cristo.

 

Firmeza e fervor: quando olhamos para o livro de Atos, percebemos como os discípulos eram conscientes da doutrina bíblica, sem que isso os levasse a um “descanso” espiritual. O fato de saberem que Deus tinha um plano para a conversão dos eleitos não os impediu de também perceber que Deus só tinha um método para chamá-los. Lucas nos diz que eles perseveravam na doutrina e na comunhão e, enquanto isso, o Senhor acrescentava à igreja os que haviam de ser salvos (At 2.47). O Apóstolo Paulo foi um dos escritores do N.T. que mais apresentou a doutrina da eleição, no entanto, foi um apaixonado por missões. Depois de mais de vinte anos de ministério desde Jerusalém até o Ilírico, ainda desejou chegar até a Espanha. No final de sua vida, deu um conselho ao jovem pastor Timóteo: “Prega a Palavra, quer seja oportuno quer não...” (II Tim 4.2).

 

Concluindo: a doutrina da predestinação não pode ser usada como desculpa para não se fazer missões. Primeiro porque é tarefa incumbida à Igreja a oferta gratuita do Evangelho a todos os povos. Segundo, porque o método de Deus, a proclamação da Palavra, é um mandamento divino. Finalmente, porque a predestinação nos motiva a proclamar, sabendo que em todas as partes da terra, em todos os tempos, Deus escolheu um povo para si e que os eleitos responderão de fato ao chamado do Evangelho!

 

Extraído e Adaptado do site da APMT